Páginas

domingo, 11 de maio de 2014

MÃE



Procurei ansiosamente
Um símbolo do amor de Deus no mundo,
Carinho permanente,
Amor que nada mais pedisse à vida,
A fim de estar contente,
Que o dom de ser amor sublimado e profundo.

Vi o Sol trabalhando sem cansaço
Doando-se sem pausa, alto e bendito,
O astro imenso, porém, pedia espaço,
De maneira a brilhar nas telas do Infinito.

Julguei achar na fonte esse traço perfeito,
Fitando-lhe a corrente a servir sem parar,
Mas a fonte exigia a hospedagem do leito
A fim de prosseguir à procura do mar.

Fui à árvore amiga e anotei-lhe a lição:
Conquanto a se entregar tanto aos bons,
quanto aos frutos,
Precisa defesa e vínculos no chão
Ao fornecer, sem paga, a riqueza dos frutos.

Vi a abelha no favo a pedir mel às flores,
Nuvens para servir solicitando alturas,
Escolas em função buscando professores
E o lar para ser lar exigindo estruturas.

Toda força do bem que ao bem se entregue
Em bondade constante e em contínua grandeza,
Assegura-se, vive, auxilia e prossegue,
Algo requisitando ao Mundo e à Natureza.

Em ti, unicamente, Mãe querida,
Encontro o amor que nasce e cresce, em suma,
No sacrifício pura, acalentando a vida,
Sem reclamar da Terra cousa alguma.

Eis porque sobre todo amor que existe
As Mães são guias, anjos, cireneus,
Cujo brilho por si só nos protege e persiste
Em ser somente amor, no excelso amor de Deus.

Estrela, Deus te guarde em teu fulgor celeste! …
Agradeço-te a luz, o carinho e o perdão …
Bendita sejas, Mãe, porque me deste
A presença de Deus no coração.

("Somente Amor", de Francisco Cândido

Xavier, pelos Espíritos Maria Dolores e Meimei)

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Só o Amor é Real - Brian Weiss



Homem? Mulher? No decurso das nossas vidas mudamos de sexo, religião e raça de forma a aprender de todos os ângulos e pontos de vista. Estamos todos na escola. 

Nascimento? Se nunca morremos realmente, então não nascemos realmente. 
Somos todos imortais, divinos e indestrutíveis. 
A morte não é mais do que atravessar uma porta para um outro quarto. Continuamos a voltar por forma a aprender determinadas lições, ou características, como amor... perdão... compreensão... paciência... discernimento... não-violência... 
Temos que desaprender outras características como medo... raiva... ganância... ódio... orgulho... ego... que são resultado de velhos condicionamentos. 
Só então podemos formar-nos e deixar esta escola. 
Temos todo o tempo do mundo para aprender e desaprender. 

Somos imortais; somos infinitos; temos a natureza de Deus. 

"Aquilo que um homem planta é aquilo que um homem colhe." 
O conceito de karma é definido virtualmente palavra por palavra em todas as grandes religiões. 
É uma sabedoria antiga. 
Somos responsáveis por nós mesmos, pelos outros, pela comunidade, e pelo planeta.

Nunca perdemos os que amamos. 
Continuamos a voltar, unidos e reunidos de novo. 
Que poderosa energia unificadora é o amor. 

"Só o Amor é Real" de Brian Weiss

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Felicidade com Poucos Bens



Embora a experiência me tenha ensinado que se descobrem homens felizes em maior proporção nos desertos, nos mosteiros e no sacrifício do que entre os sedentários dos oásis férteis ou das ilhas ditas afortunadas, nem por isso cometi a asneira de concluir que a qualidade do alimento se opusesse à natureza da felicidade. 

Acontece simplesmente que, onde os bens são em maior número, oferecem-se aos homens mais possibilidades de se enganarem quanto à natureza das suas alegrias: elas, efetivamente, parecem provir das coisas, quando eles as recebem do sentido que essas coisas assumem em tal império ou em tal morada ou em tal propriedade. 

Para já, pode acontecer que eles, na abastança, se enganem com maior facilidade e façam circular mais vezes riquezas vãs. 

Como os homens do deserto ou do mosteiro não possuem nada, sabem muito bem donde lhes vêm as alegrias e é-lhes assim mais fácil salvarem a própria fonte do seu fervor.

Antoine de Saint-Exupéry

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Só o Amor é Real - Brian Weiss



Nem sempre casaremos com a alma a que estamos mais fortemente ligados. 

Pode existir mais do que uma para nós, pois as famílias de almas viajam juntas. 
Podemos decidir casar com uma alma companheira à qual estamos menos ligados, uma que tenha algo específico para nos ensinar ou para aprender conosco. O reconhecimento de uma alma gêmea pode acontecer mais tarde, depois de ambos estarmos comprometidos com as famílias da vida atual. Ou a alma a que estamos mais fortemente ligados pode ser um dos nossos pais, um filho, um irmão. Ou a ligação mais forte pode ser com uma alma que não tenha encarnado durante a nossa vida, mas que está a tomar conta de nós do outro lado, como um anjo da guarda. 

Por vezes, a nossa alma gêmea está disponível e disposta a uma relação. Ele 
ou ela podem reconhecer a paixão e a química entre os dois, os laços íntimos e sutis que implicam ligações ao longo de muitas vidas.No entanto, ele ou ela 
podem ser prejudiciais para nós. É uma questão de desenvolvimento de almas. 

Se uma alma é menos desenvolvida e mais ignorante do que a outra, traços de 
violência, avareza, ciúme,ódio e medo podem surgir na relação. Estas tendências são prejudiciais para a alma mais evoluída, mesmo vindo de uma alma gêmea. 
Frequentemente, fantasias de salvamento surgem com o pensamento "Eu posso 
mudá-lo; posso ajudá-lo a crescer." Se ele não permitir a nossa ajuda, se no seu 
livre arbítrio decidir não aprender, não crescer, a relação está condenada. 
Talvez haja outra oportunidade noutra vida, a não ser que ele acorde tarde, 
mas acorde, nessa mesma. Despertares tardios também acontecem. 
Por vezes, as almas gêmeas decidem não casar enquanto encarnadas. Fazem 
por se conhecer, por se manter juntas até que a tarefa acordada esteja cumprida e, então, continuam. Os seus projetos, os seus planos de aprendizagem para toda esta vida são diferentes e não querem ou não precisam de passar a vida juntas. O que não é uma tragédia, apenas uma questão de aprendizagem. Têm a vida eterna juntas, mas por vezes necessitam de participar em aulas separadas. 

Uma alma gêmea que esteja disponível, mas adormecida, é uma figura trágica 
e pode causar grande angústia.Adormecida significa que ele ou ela não vê a vida 
claramente, não está consciente dos vários níveis de existência. Adormecido 
significa não saber nada sobre almas. Geralmente é a consciência prática do 
quotidiano que impede o despertar. 

Ouvimos as desculpas da mente todo o tempo. Sou demasiado jovem; necessito de mais experiência; ainda não estou pronto para assentar; és de uma religião diferente (ou raça, região, estrato social, nível intelectual, base cultural e assim sucessivamente). Isto são desculpas, pois as almas não possuem nenhum destes atributos. 

A pessoa pode reconhecer a química. A atração está lá em definitivo, mas a 
origem da química não é compreendida. É ilusório acreditar que essa paixão, esse reconhecimento da alma, essa atração sejam facilmente encontrados de novo com outra pessoa. Não se tropeça numa alma gêmea todos os dias, talvez só mais uma ou duas vezes numa vida. A graça divina pode recompensar um bom coração, uma alma cheia de amor. 

Nunca nos devemos preocupar em encontrar a alma gêmea. Tais encontros 
são coisa do destino. Ocorrerão. Depois do encontro, reina o livre arbítrio de 
ambas as partes. Que decisões são ou não tomadas é uma questão de livre arbítrio, de escolha. Os mais adormecidos tomarão decisões baseados na mente e em todos os seus medos e preconceitos. Infelizmente, isto muitas vezes resulta em corações partidos. Quanto mais desperto estiver o casal, maior a probabilidade de uma decisão ser baseada no amor. Quando os dois parceiros estão despertos, o êxtase está ao seu alcance. 

do livro "Só o Amor é Real" de Brian Weiss

terça-feira, 11 de junho de 2013

Louvor de São Francisco de Assis




Vendo a obra, vejo Deus; sentindo Deus, sou Amor. 
Oh!... quantas coisas se escondem de mim, de vós, de todos, filhas do Criador. 

Sinto-me nada, ante a grandeza do universo; 
sinto-me verme, pelas belezas que desconhece o meu coração. 

Deus tem filhos no mar, nas estrelas, no ar; 
Deus tem filhos nas árvores e na terra. 

Deus tem filhos até nas guerras. 
Que beleza a função da natureza!... 

Vejo a luz surgir no escuro, vejo a vida perfeita nos monturos; 
vejo o céu nas águas do mar, 
vejo e sinto o Amor no amar. 

Quando descanso, a natureza trabalha; 
quando durmo, a natureza trabalha; 
quando trabalho, a natureza trabalha; 
Quem eu sou?... Nada, diante desta batalha. 

Deus é Deus dos justos, Deus é Deus dos párias, 
Deus é Deus dos que viajam. Deus é Deus dos que ficam em casa!... 

Deus é Deus das sombras, Deus é Deus da luz, 
Deus é Deus das trevas, Deus é Deus de Jesus!... 

Quando estou cansado. Deus está ocupado; 
quando estou reclamando, Deus está obrando. 

Quando blasfemo, Deus está entendendo; 
quando tenho ódio, Deus está amando. 

Quando estou triste, Deus está sorrindo. 
Deus é Sabedoria e eu estou sonhando!... 

Que beleza a natureza!... 

Que beleza a profundeza da existência, e do existir. 

Eu não compreendo, mas luto para me corrigir;  
porém, em frações do tempo, logo quero ajuntar e Deus repartir. 

Quero colher, quero usurar; e Deus passa por mim a semear!... 

Luto de novo, mas ainda não sei lutar; 
penso na disciplina, mas não me deixo disciplinar. 

Avanço... caio! Tomo a avançar. 

E Deus me ouve, passa novamente por mim, 
olha para meus olhos, sente meu coração. 

E fala baixinho em meu ouvido: Vem, vou te ensinar a amar. 

Deus Se retira!... Sinto Sua ausência!... Peço clemência! 

Mesmo assim. Deus não Se esquece de mim. 

Manda um Anjo em meu encalço, num carro fulgurante de luz. 

E de braços abertos, caio por terra; 
pensei que era o Cristo de Deus, que era Jesus! 

E o cortejo dos céus entra em mim, em cântico de louvor. 

Abre o meu coração, deixando dentro dele um tesouro de luz!... 

O tesouro da dor. 

extraído do livro "Francisco de Assis" de João Nunes Maia pelo espírito de Miramez

A força de um abraço



Ele acordou indisposto e irritadiço. Seus pensamentos logo se voltaram para o escritório, lembrando de problemas ainda pendentes de solução, bem como do trânsito que teria que enfrentar. Ficou mais irritado ainda.
Tomou rapidamente um pouco de café, despediu-se da esposa e caminhava para a porta, quando ouviu aquela voz com jeitinho de sono ainda, que, carinhosa e meigamente, lhe falou: Papai, espere por mim!
Ele parou, voltou-se. Ali estava sua filhinha, de 5 anos, de pijama, braços estendidos para lhe dar um abraço.
Abaixou-se, depositou a mala de trabalho no chão, e acolheu-a, demonstrando uma certa pressa.
Ela aconchegou-o num forte e demorado abraço, beijou-o e disse-lhe: Todas as noites eu agradeço ao Papai do Céu assim: Obrigada, Papai do Céu, por tudo. Mas, muito mais por você me ter dado um papai e uma mamãe que me amam.
Deu-lhe mais um beijinho e mais um abraço, dizendo-lhe: Eu amo muito você. Tchau, até depois mais. Estarei aqui esperando por você.
Aquele momento, aquele abraço e aquele beijo tiveram o efeito de algo como uma forte descarga elétrica lhe passando da cabeça aos pés.
Saiu, irradiando alegria por todos os poros. Meio que caminhando nas nuvens. Mudara totalmente seu estado mental. Já não era o mesmo.
No trânsito, dirigiu com a maior cortesia e paciência, distribuindo sua satisfação.
Quando chegou ao prédio do escritório, cumprimentou o garagista do estacionamento com sinceridade.
Adentrou o elevador, tendo dado a vez aos outros que também ali estavam e, sorridente, desejou um autêntico bom dia a todos.
Como há muito ele não fazia, entrou no escritório com um largo sorriso no rosto e cumprimentou cada um dos funcionários com um aperto de mão.
Passou pela sala do seu chefe, pediu licença e entrou. Dirigiu-se até ele, deu-lhe as mãos e o abraçou.
Depois, olhando-o, disse-lhe: Há tempos estou para lhe falar duas coisas. A primeira, é que lhe sou muito grato pela oportunidade que me deu na sua empresa, ao contratar-me.
A outra, é a de que aprendi a devotar-lhe, além do respeito de um funcionário para com seu patrão, grande amizade e reconhecimento, pela sua forma leal de ser para comigo e para com os demais.
Antes que seu chefe se recuperasse da boa surpresa, concluiu: Neste momento estou repassando-lhe um pouco da alegria que minha filhinha me deu hoje, antes que eu saísse de casa.
Ambos sorriram. Nada mais falaram. Foram para seus quefazeres do dia. Os dois já não eram mais os mesmos.
* * *
A força de um abraço com carinho e fraternidade pode transformar o mundo, começando por transformar o seu dia ou o dia de alguém, para muito melhor.
Faz tempo que você não abraça seu filho? 
Há quanto tempo não abraça sua esposa ou seu esposo, como quem abraça um devotado amigo ou uma devotada amiga?
Lembra-se de quando foi o seu último abraço sentido e verdadeiro em seu pai e em sua mãe? 
Um abraço como se fosse sua oração de gratidão a Deus pela presença deles em sua vida?

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Conversas com o Ego (Saimon Selau)





Ego diz: Você não pode ser feliz sem adquirir mais. Vamos, não perca tempo ou será irresponsável. Não viu aquele homem com aquela mulher? Parece de cinema, não quer uma igual? Então, tem que ter grana, se não, você se ferra. E aquela casa, aquele carro, aqueles lugares, você não é ninguém com o que tem.

Resposta : Se eu reflito o que tenho, eu teria que ser bom como o carro, grande como a casa, ter mais e mais para conseguir pessoas interessadas em bens, mas, na visão dos outros, ou na minha visão? O carro fica velho, a casa será grande para um coração que pode ficar vazio, depois que as pessoas interessadas apenas nos bens se distanciarem e a mulher bonita envelhecer. Hoje, eu amo a beleza dela, mas amanhã, será que eu a amarei e ela a mim, quando nos “conhecermos de verdade”? O carro será tão valioso ao ponto de suprir minha solidão? Os lugares terão a mesma magia sem alguém para compartilhar as lembranças e visões ou amigos verdadeiros?

Ego: Cara, você é um careta mesmo. Nunca vai ser “alguém”.

Resposta: O que seria ser alguém? Tenho um nome, tenho idade, um registro de nascimento, isso me faz ser alguém. Mas o que você quer dizer: ser “alguém”?

Ego: Alguém admirado, invejado, com bens, com grana, glamour. Alguém de destaque social, alguém com uma carreira brilhante. O que você é?

Resposta: Bom, eu tenho pessoas que me admiram. Algumas pessoas que chamo de amigos. Eles são meus fãs e eu fã deles, mas não só quando estou bem, mas principalmente, quando estou mal, triste. São pessoas que me tratam igual tanto na festa glamorosa ou de pijama e meias furadas no inverno. Inveja... Porque eu gostaria de ser invejado? Sou auto-suficiente ao ponto de minha paz e alegria não depender da opinião de ninguém. Grana? Desenvolvo-me para trabalhar em coisas que gosto, não empregos que me sugam a alma por alto valor, mas sim, trabalhos onde eu crie valor para o mundo recebendo uma quantia em troca. É um ganha - ganha sabe. Carreira brilhante? Isso depende do meu esforço. Vejo pessoas em revistas cheias de photoshop com carreiras “brilhantes”. Mas também, tenho amigos que sustentaram filhos, fazem a mulher feliz e sempre trabalharam honestamente sem fazer mal a ninguém, são carreiras brilhantes também, não invejadas, mas auto-suficientes. A admiração está na riqueza de pensamento de cada observador, e dos seus princípios do que seria a riqueza.

Ego: Bom, você me deixa confuso... Não consigo entender!

Resposta: Você não consegue entender porque está acostumado com as pessoas fazendo suas vontades, sempre direcionadas a você e suas manias. Você se alimenta despertando o medo e criando ilusões, onde as pessoas se perdem para alimentar os desejos mesquinhos e passageiros que condicionam a mente em caixas de pequenas realidades, onde energia são disputadas e não trocadas. Na verdade, você cria escuridão para que as pessoas entendam seus pontos fracos, e caso se entreguem a isso, se alimenta da escuridão gerada por elas. Você é do mal? Não, é apenas o reflexo do não entendimento de cada pessoa, que, coletivamente, cria realidades materialistas. Você é o atalho da mudança para aqueles que têm coragem de observar a si mesmos. Você é reflexo de cada pessoa que esqueceu o infinito e a energia abundante que o universo cria em cada um, sendo o pensamento gerador de valor pelo conhecimento. Muitos chamam você de escuridão, ruim, mal, diabo. Eu apenas digo que você é a soma da parte não compreendida de cada ser, coletivamente.